zezinho . turibio . santos . arquitetura . news . 15 . 05 . 04 . kojima . b

Arrojada, antenada e conceitual  —  a arquitetura para o Kojima está de volta à galeria de arquitetura comercial.

Ao longo de mais de uma década, o Kojima  —  restaurante japonês contemporâneo  —  firmou-se como endereço certo de gente bacana e descolada, e comida idem.

A casa abriu as portas em 2003 em uma então tranquila vizinhança de Boa Viagem, Recife. O espaço foi cuidadosamente projetado para traduzir a atmosfera conceitual e arrojada que o chef do pedaço, Alexandre Faeirstein, desejava. Em 2004, após um ano de sucesso, uma ampliação acrescentou 22.00 m² de área e 16 novos assentos.

A primeira filial foi inaugurada, em 2009, em uma movimentada quadra da Asa Sul de Brasília, seguida por uma segunda, em 2003, no bairro de Águas Claras. A arquitetura para ambas, assim como a da casa original, é antenada, leve e minimalista.

Ainda em 2013, uma nova reforma atualiza e amplia o espaço do Kojima original, no Recife. Agora no centro do que veio a ser um dos mais movimentados polos gastronômicos da cidade, a área passa de 200.00 para 280.00 m², e a capacidade, de 80 para 120 pessoas. A casa passa a contar, após as obras, com duas amplas salas  —  aconchegantes, confortáveis e autônomas. A fachada ganha acabamento em chapas de ACM, e a marca ganha nova roupagem, mais antenada e assimétrica.

Acesse a galeria de arquitetura comercial e confira, em maiores detalhes e através de dezenas de imagens, a arquitetura para o Kojima.

zezinho e turibio santos | santos & santos arquitetura       Kojima  |  Recife  |  2003      

zezinho e turibio santos | santos & santos arquitetura      Kojima  |  Recife  |  ampliação  |  2004      

zezinho e turibio santos | santos & santos arquitetura      Kojima  |  Brasília  |  2009      

zezinho e turibio santos | santos & santos arquitetura      Kojima  |  Águas Claras  |  2013      

zezinho e turibio santos | santos & santos arquitetura      Kojima  |  Recife  |  reforma  |  2013