CIRROSE MUSICAL

outubro  |  2013

 


 

  •  artigo publicado no portal Tag It
  •  acesse o artigo abaixo ou baixe o arquivo em formato PDF
Cirrose Musical

Não queria perder o meu tempo com essa moça  —  ela simplesmente não vale a pena. Se o faço, é por uma razão e uma razão apenas: para tomar partido em uma discussão e sair em defesa de uma verdadeira artista, Sinéad O’Connor, 46, cantora e compositora irlandesa.

Quem acompanha com alguma regularidade as notícias da indústria fonográfica  —  não vou falar em notícias do show business, pois essas são meias-irmãs das notícias de celebridades, as quais não acompanho  —  sabe de que moça fala-se aqui: Miley Cyrus, 20, americana e … Bem, a moça pensa que é atriz e pensa que é cantora.

Há algumas poucas semanas, Cyrus lançou o vídeo de seu mais novo trabalho, Wrecking Ball, e declarou que a concepção é inspirada no vídeo de Nothing Compares to U, lançado por O’Connor em 1990. Com a declaração, a irlandesa  —  que nunca foi de deixar de dizer o que pensa  —  foi procurada por vários veículos da imprensa para que expressasse a sua opinião sobre o assunto. E, em lugar de conversar com os vários jornalistas individualmente, decidiu escrever uma carta aberta à americana, aconselhando-a a não se deixar explorar pela indústria. “Fico extremamente preocupada com a possibilidade de que as pessoas à sua volta a tenham encorajado a acreditar que é aceitável aparecer sem roupas e lambendo marretas em seu vídeo”, escreve O’Connor.

A carta de O’Connor é atenciosa, cortês, polida, maternal. A resposta de Miley Cyrus veio em forma de tuítes imbuídos com a vulgaridade que lhe é peculiar, e disparados de forma ofensiva e pessoal. Essa troca continuou nos dias que se seguiram, e geraram mais quatro cartas abertas escritas por Sinead. As cartas, aliás, estão todas no site da artista. Uma simples comparação entre esse endereço  —  elegante e profissional  —  e o site da moça mostra a distância entre as duas. E coloca distância nisso.

O vídeo de Nothing Compares to U é uma obra-prima do gênero. Já o de Wrecking Ball é uma peça pornográfica, sonorizada por uma música vazia. Sexualidade é uma parte inerente e profunda da vida. Não há absolutamente qualquer coisa errada com o sexo ou a sensualidade em si. Mas quando um artista atinge o público infanto-juvenil, altamente sugestionável, com vídeos pornôs ou performances ao vivo altamente eróticas, a coisa muda de figura. Passa-se a tratar da proteção de crianças. É adequado que uma garota de sete anos copie o seu ídolo da televisão e saia pela sala balançando a pélvis como uma pole-dancer? Não deveria haver limites? Ainda que se acredite e que se defenda a liberdade de expressão, o quanto da atual avalanche de performances erotizadas realmente se trata de expressão artística, e o quanto se deve meramente à ânsia mercadológica em vender discos? Nesse jogo, talvez Cyrus seja apenas uma peça da indústria  —  mas certamente, ciente ou não, leva a baixaria a um novo nível.

Tristemente, o simples fato de se comentar aqui  —  e em tantos outros lugares  —  sobre a performance de Miley certamente criará mais curiosidade sobre o seu vídeo, e venderá mais cópias de seus discos. Melhor, todavia, voltar vinte e três anos no tempo e assistir a Sineád, no lindo Nothing Compares to U. Aquilo é arte. Algo que Cyrus desconhece.

 

 

 

 

 

 

+ ARTIGOS

Pin It on Pinterest

Share This