GRAND HOTEL

abril  |  2007


 

  •  artigo publicado na revista Class Casa    edição número 04
  •  acesse o artigo abaixo ou baixe o arquivo em formato PDF
Grand Hotel

Toda grande cidade tem o seu grande hotel. Para espanto daqueles entre os das gerações mais novas que pouco conhecem da história recente de sua cidade, tivemos também o nosso. E ele era grande, não bem assim esse grande em português, tacanho em sua enormidade, mas Grand, em francês, com capitular e direito a tudo em que o termo implica: famoso, glorioso, ilustre, superior, belo, magnífico, nobre, magistral, régio, magno, relevante. Inaugurado em 1938, às margens do Capibaribe, com vista privilegiada para a parte antiga da cidade, se hoje ainda existisse o Grande Hotel do Recife seria uma daquelas instituições veneráveis, orgulho e graça de uma comunidade. Aqui, ali, em qualquer lugar, assim essas instituições se mantêm, renovadas e atualizadas ao longo das décadas, representantes da civilidade, da hospitalidade e da significância de uma sociedade. Os endereços são conhecidos: 150 Piccadilly, 25 Avenue Montaigne, 301 Park Avenue, Avenida Atlântica 1702. Os nomes, ainda mais: The Ritz London (1906), Hôtel Plaza Athénée (1911), The Waldorf Astoria (1893), Copacabana Palace (1923). Diminuídas seriam as cidades que os acolhem se preservados não houvessem sido esses bastiães da hotelaria. Mantê-los, aliás, não depende apenas do interesse de seus proprietários. Depende também da vontade e da capacidade de uma sociedade em se manter atraente à visitação. E isso se traduz em oferecer uma cidade limpa, segura, interessante e agradável ao olhar, ciente de sua história e segura em seu passo à frente. Nada em que sejamos assim uns experts. E talvez por isso mesmo estejamos perdendo, presentemente, o que defensavelmente seria a nossa última chance de se orgulhar em ter um grande hotel. Estamos perdendo o que possivelmente poderia ser o nosso Copacabana Palace. Estamos perdendo o Hotel Boa Viagem. O endereço era elegante até no número: Avenida Boa Viagem, 5000. A construção branca, de cem apartamentos, plantada à orla desde 1954, ora dá lugar a novos empreendimentos. O anexo já se foi, junto com a área de lazer, única em toda a praia. Há em Boa Viagem outra casa que ofereça uma piscina elevada com a extensão que tinha aquela, e toda com vista para o mar? Não que tenhamos notícia. Nosso Trecho em Obras dessa edição deixa aqui como registro uma das últimas imagens de nosso Copa. Um monumento, que se diga, a tudo que não temos mais a oferecer.

+ ARTIGOS

Pin It on Pinterest

Share This